ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

NOTURNO EM MI BEMOL MAIOR, OPUS 9, Nº2

Última modificação : Sábado, 31 Agosto 2013 18:59


CHOPIN, FRÉDÉRIC FRANÇOIS (1810-1849)

POLONÊS – ERA ROMÂNTICA - 219 OBRAS


NOTURNO EM MI BEMOL MAIOR, OPUS 9, Nº2

 

Exilado pela revolução, abandonado pela amante, morrendo de tuberculose, mas sempre vestido com apuro, a frágil imagem de Chopin encaixa-se em todos os estereótipos do artista romântico. Primeiro poeta do piano, sua obra foi imediatamente popular e sempre transcendeu os caprichos da moda. Herói nacional, sua música anunciou a libertação de sua Polônia natal e continua a acompanhar homens de Estado à sepultura. A música para piano sofisticadamente elaborada de Chopin é reputada por seu lirismo, pureza e encanto delicado.

 

OS NOTURNOS

Noturno significa um canto livre da sua intimidade, por meio da qual conta uma história íntima que o músico não poderia exprimir de outra forma. Chopin baseou-se em um modelo próximo, os noturnos do irlandês Field, mas submetendo-os a tal modificação que apenas poderemos notar um vago parentesco entre os dois músicos. Nos últimos noturnos encontramos sonoridades e uma escrita pianística próximas do impressionismo.

 

OS NOTURNOS OPUS 9

Três noturnos fazem parte desse número de opus. Foram escritos entre 1830 e 1832 e dedicados à Madame Camille Pleyel. Sua primeira publicação data de 1833.

 

NOTURNO EM MI BEMOL MAIOR, OPUS 9, Nº2

Composto quando Chopin estava com 20 anos de idade. É riquíssimo em ornamentações, alguns compassos com liberdade ritmica (senza tempo) e melodias secundárias executadas com rubato. As notas espaçadas do acompanhamento, como se fosse o de uma valsa, fornecem a base sonora para a linha melódica. Este noturno exala uma atmosfera terna, reflexiva até que, subitamente, a tensão cresce de uma forma dramática e após um exuberante trilo, toda a tensão se extingue e o noturno termina de uma maneira serena.



Vídeo