ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

Fascinante história de Wolfgang Amadeus Mozart, A

Última modificação : Sexta, 27 Janeiro 2017 13:58


 

 

É inegável. Mozart deixou um legado belíssimo para os amantes da música clássica. Talvez seja o mais popular dos músicos eruditos. Um verdadeiro gênio que, não obstante todas as dificuldades que atravessou em seus poucos anos de existência física, criou composições alegres que exaltam a vida. Uma ótima maneira de definir sua obra é a célebre sentença que diz que "quando os anjos tocam para Deus, eles tocam Bach; mas, quando tocam para seu próprio prazer, tocam Mozart". Continue lendo

 

 

Invariavelmente a palavra "gênio" acompanha qualquer comentário sobre Mozart. Diz-se que seu primeiro concerto para cravo foi composto aos cinco anos, época em que começou a excursionar pela Europa com seu pai, Leopold, e sua irmã, cinco anos mais velha, Nännerl. "Por que ficar à toa em Salzburgo, quando tenho um milagre a mostrar ao mundo?", perguntava-se Leopold, segundo mestre-de-capela em sua cidade, referindo-se ao filho. Mozart jamais foi à escola ou teve outro professor que não o próprio pai.

 

Confira o 1º movimento da Sinfonia No. 36 em Dó Maior, K.425 - "Linz": http://bit.ly/ZDbxGM

 

 

Com apenas sete anos, Mozart já compõe e toca cravo, órgão e violino. Já havia passado por Viena e tocado para o Imperador Francisco I, que o chamou de pequeno mágico, e no Palácio de Versalhes, em Paris. Em abril de 1764 a família segue para Londres, onde Mozart compõe sua primeira sinfonia. É neste período que, influenciado por Johann Christian Bach (filho de Johann Sebastian Bach), Mozart se apaixona pela ópera italiana. Entre meados de 1765 e final de 1766, os Mozart atravessam a Europa: Inglaterra, França, Bélgica, Holanda. Suíça e Alemanha.

 

Aqui você encontra o vídeo da Sinfonia nº 39, K.543: https://youtu.be/Gfpow9oFiZI


Saiba mais sobre a Sinfonia nº 39 em Mi bemol maior, K. 543

 

 

A Sinfonia nº 40 em sol menor, K. 550 – também conhecida por “Grande Sinfonia em sol menor” -, de Mozart, foi composta em 1788 em meio a um período bastante produtivo. Os registros da época não trazem qualquer evidência de que sua estreia ocorreu durante a vida de Mozart. Conta-se que o compositor revisou a sinfonia e fez alterações. Isso volta a deixar pistas de que realmente houve uma estreia, já que Mozart dificilmente teria se dado ao trabalho de adicionar clarinetes e reescrever as flautas e oboés para acompanhá-los se não tivesse uma apresentação específica em mente. Continue lendo sobre esta sinfonia

 

Vídeo do 1º movimento da Sinfonia nº 40 com a Filarmônica de Viena, sob regência de Karl Böhm

 

 

Mozart deixou 626 obras catalogadas por Köchel (o famoso K que acompanha todos os seus títulos). Diz-se que somente um cachorro acompanhou seu enterro, feito como indigente em uma cova comum. A teoria de que Salieri, que era Kapellmeister da Corte em Viena quando Mozart por lá chegou, o teria envenenado ganhou corpo na época e foi reacendida quando em 1823, já aos 70 anos, Salieri tenta o suicídio e diz ter assassinado Mozart.

 

A Sinfonia nº 41, K.551, "Júpiter", foi a última das 41 sinfonias compostas por Mozart. Confira o 1º movimento: http://bit.ly/YbKIcq


Saiba mais sobre a Sinfonia nº 41 em Sol maior, K. 551, "Júpiter"

 

 

 


Mozart Frase