ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

ANEL DOS NIBELUNGOS, O

Última modificação : Sexta, 28 Agosto 2015 15:35



WAGNER, RICHARD (1813-1883)

ALEMÃO – ÓPERA ROMÂNTICA – 43 OBRAS


 

DER RING DES NIBELUNGEN

 

Compõe-se de quatro óperas: Das Rheingold (O ouro do Reno), Die Walküre (A Valquíria), Siegfried e Götterdammerung (O crepúsculo dos deuses). O objetivo era apresentar o ciclo em quatro noites consecutivas. Wagner levou 28 anos para concluir o Anel, cuja execução leva mais de 15 horas, a maior obra operística de todos os tempos. Estreou em 1876 no Festspielhaus de Bayreuth, e desde então tem sido montada em todo o mundo.

 

O Anel: da ideia à ópera

O ciclo do Anel teve origem na revolução de 1848 na França. Wagner começou a imaginar um "teatro da Revolução", representando a dramática derrubada da ordem estabelecida. Também estava mergulhado na literatura tradicional cultivada pelos pensadores românticos de sua época. A visão política de Wagner, permeada de misticismo, e sua fecunda imaginação animaram uma à outra com suas leituras: mitos nórdicos relatados nos Eddas; outras narrativas escandinavas como a Saga Völsunga; folclore alemão e relatos míticos recolhidos e publicados pelos irmãos Grimm; e Das Nibelungenlied, um grande épico medieval germânico. Em 1848, Wagner já escrevera "A morte de Siegfried", texto de uma ópera heroica destinada a expressar suas novas paixões. Encantado com o herói, inseriu a história de Siegfried numa teia de temas e evocações, formando um universo próprio, e passou a criar esse mundo, povoando-o com uma mistura muito própria de heróis e deuses germânicos que seriam, no fim, engolfados em chamas sacrificiais e revolucionárias.

 

Wagner começou a compor a ópera preliminar em 1853 e só em 1874 concluiu a última. Seu mecenas, o rei Ludwig II da Baviera, deu apoio financeiro e político para a estreia em 1876. Wagner também levantou pessoalmente fundos para o projeto, mas o primeiro Festival em Bayreuth seria um desastre financeiro.

 

Motivos do Anel

O Anel tem um mundo musical e dramático próprio. Entre suas inovações está o emprego de c.200 temas musicais conhecidos como "motivos". Wagner os associou a personagens, objetos e ideias que evoluem conforme as óperas avançam. Por exemplo, o motivo da espada chamada Nothung tem a forma cortante e reluzente da arma, enquanto o do personagem de Hunding vem carregado de maus pressentimentos, anunciando seu caráter e seu lugar na história do ciclo. Mesmo quando relacionados a questões menos tangíveis, como a maldição que recai sobre o Anel, os motivos são expostos de maneira sutil para antecipar ou rememorar seus momentos de mais clara manifestação. São introduzidos, modificados, expandidos e entrelaçados para moldar camadas superpostas de evocativas texturas musicais.

 

Os papéis do Ciclo do Anel

O ciclo evoca proporções míticas, mas é construído em torno de uma quantidade surpreendentemente pequena de solistas, que aparecem em grupos bem definidos. Na trama, o amor é oposto ao poder e à cobiça, e se revela, em última análise, a força maior. Entre os papéis principais estão Wotan, Brünnhilde, Siegfried e o nibelungo Alberich.

 

Filhas do Reno: Ninfas sedutoras do rio Reno

Woglinde, Wellgunde, Flosshilde

 

Nibelungos: Gnomos de Nibelheim, um reino subterrâneo

Alberich, Mime, Hagen

 

Gigantes: Construtores do Valhalla, a fortaleza dos deuses

Fasolt, Fafner (em Siegfried, este aparece como um dragão)

                                                        

Deuses: Moradores do Valhalla, fadados a desaparecer

Wotan (disfarçado de "Andarilho" em Siegfried), Fricka, Loge, Freia, Donner, Froh, Erda

 

Wälsungs: Descendentes de Wälse, pseudônimo de Wotan

Siegmund, Sieglinde, Siegfried

 

Valquírias: Guerreiras castas, filhas de Wotan

Brünhilde, Gerhilde, Ortinde, Waltraute, Schwertleite, Helmwige, Siegrune, Grimgerde, Rossweisse

 

Nornas: Filhas de Erda, que fiam os destinos com fios de ouro

Primeira Norna, Segunda Norna, Terceira Norna

 

Gibichungs: Membros da casa real residindo num palácio perto do rio Reno

Gunther, Gutrune

 

Outros: Hunding, Pássaro da Floresta.

 

Os detentores do anel mágico

O nibelungo Alberich renega o amor para conquistar o Anel às filhas do Reno. O Anel, dito dos Nibelungos apesar de ter sido roubado por Alberich, confere riqueza e poder ilimitados a seu detentor. Mas no início da ópera Alberich o amaldiçoa: qualquer pessoa que toque o Anel e tenha conhecimento de seus poderes mágicos estará perdida. Na última ópera, Brünnhilde se sacrifica para pôr fim à maldição, e o Anel vai parar onde estava no início, guardado pelas sedutoras Filhas do Reno.

 

Vídeo

 

 

Artigos relacionados:


. O Anel dos nibelungos

. O ouro do reno

. A valquíria

. Siegfried

. O crepúsculo dos deuses





Fonte:

Guia Ilustrado de Ópera Zahar