ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

2ª SINFONIA EM RÉ MAIOR, OP. 36

Última modificação : Quinta, 03 Abril 2014 16:58


 

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770 – 1827)

ALEMÃO – ERA CLÁSSICA – 398 OBRAS


Sinfonia No.2 em Ré Maior, Op. 36

 

Movimentos: 4

I. Adagio molto – Allegro con brio

II. Larghetto (A major)

III. Scherzo. Allegro – Trio

IV. Allegro molto

 

O primeiro está na forma sonata e possui uma estrutura semelhante ao da primeira sinfonia. O segundo, escrito em Lá Maior, é um dos movimentos sinfônicos lentos mais longos de Beethoven. Possui claras evidências de influência da música folclórica, mais tarde usada por Beethoven em sua Sinfonia n.° 6 ("Pastoral"). O terceiro é um Scherzo com um quarteto alegre entre os oboés e os fagotes. A sinfonia conclui com um movimento rápido e enérgico.

 

Ano da composição: 1800-1802

Primeira apresentação: 05 de abril de 1803, em Viena

Theater an der Wien. Orchestra / Ludwig van Beethoven

Primeira publicação: Março de 1804 - partes*; Novembro de 1808 - partitura completa**

(*) Vienna: Bureau des arts et d'Industrie, Plate 305

(**) London: Cianchettini & Sperati, Plate 25

Dedicatória: Karl Fürst von Lichnowsky

Duração média: 30 minutos

Estilo: Clássico

 

Instrumentação orquestral:

2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes (A), 2 fagotes, 2 trompas (D, E), 2 trompetes (D), timpanos, cordas.

 

 

A maior parte da obra foi escrita durante a estada de Beethoven em Heiligenstadt, onde estava sob indicação médica. Neste período, o compositor começava a experimentar os primeiros sinais de surdez, a qual julgava ser incurável, o que o levou a momentos de grande depressão.

 

Várias "brincadeiras musicais" de Beethoven se fazem presentes nesta obra, como a substituição do tradicional Menuetto pelo Scherzo, no terceiro movimento. Tais inovações chocaram muitos críticos. A estreia deu-se em 5 de abril de 1803, no Theater an der Wien, em Viena, sob regência do próprio compositor. Juntamente foram estreados o Concerto para piano n.° 3 e o oratório Cristo no Monte das Oliveiras - ambas do compositor. Um famoso crítico vienense escreveu para o Zeitung fuer die elegante Welt ("Jornal para o Mundo Elegante") que a sinfonia era como "um dragão ferido contorcendo-se horrivelmente, que recusa-se a morrer, mas que contorce-se até suas últimas angústias, e no quarto movimento, sangra até a morte".

 

Curiosamente, data do mesmo ano o Testamento de Heilingenstadt, escrito por Beethoven a 6 de outubro, portanto, após a composição da sinfonia.

 

 

Vídeo




Artigo relacionado:


Testamento de Heilingenstade





 


Fontes:

. IMSLP/Petrucci Music Library

. Wikipedia.org