ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

RÉQUIEM DE GUERRA, OP. 66

Última modificação : Quarta, 23 Abril 2014 17:43


 

BENJAMIN BRITTEN (1913-1976)

INGLÊS – MÚSICA MODERNA – 267 OBRAS

 

WAR REQUIEM, OP. 66

Obra coral, composta por nove poemas de guerra de Wylfred Owen, em inglês, interpoladas com os textos litúrgicos em latim da Missa de Réquiem. Foi escrita em 1961-1962.

 

Apresentado pela primeira vez na Abadia de Westminter em 1962, o "War Requiem" foi escrito para a reconsagração da Catedral de Coventry, e nesse lugar foi executado em 30 de maio de 1962, sob a direção do próprio compositor e tendo Heather Harper, Peter Pears e Dietrich Fischer-Deiskau como solistas.

A Catedral de Coventry foi destruída durante a Batalha da Grã-Bretanha, na Segunda Guerra Mundial.

 

Britten foi contratado para escrever a peça para a cerimônia que marcaria a inauguração da nova catedral, desenhada por Basil Spence e construída ao lado das ruínas da milenar estrutura original. Já que o trabalho seria ouvido no interior da nova catedral, representou um grande desafio acústico para o compositor inglês.

 

O "Réquiem de Guerra" não foi pensado para ser uma peça pró-Grã Bretanha de glorificação de seus soldados, mas uma demonstração pública das convicções anti-militaristas de Britten. Uma denúncia da iniqüidade da guerra, não dos homens. O fato de Britten ter escrito a obra especificamente para três solistas —o barítono alemão Dietrich Fischer-Dieskau, a soprano russa Galina Vishnevskaya e o tenor britânico Peter Pears - mostra que ele tinha em mente mais que as perdas de seu país, e que também desejou assinalar a importância da reconciliação (infelizmente, Vishnevskaya não estava disponível para a primeira performance, e teve de ser substituída por Heather Harper). A peça também pretendeu ser um aviso às futuras gerações sobre a insensatez de pegar em armas. Foi dedicada a quatro amigos de Britten mortos durante a Primeira Grande Guerra: Roger Burney, subtenente, Royal Naval Volunteer Reserve Piers Dunkerley, capitão, Royal Marines David Gill, marinheiro, Royal Navy Michael Halliday, tenente, Royal New Zealand Volunteer Reserve.

 

Antes de Britten, o gênero "Missa de Réquiem" já era bastante poderoso —uma experiência religiosa moldada coletivamente por toda uma Europa Cristã através de séculos de repetição; um texto literário que inspirou grande música de muitos compositores, incluindo Mozart, Berlioz e Verdi.

 

Britten intensificou ainda mais o efeito inserindo, no texto latino tradicional, em pontos tematicamente apropriados, um ciclo de poemas de Wilfred Owen, poeta inglês que lutou na Primeira Guerra Mundial e depois perpetuou a experiência em papel, com todo o seu horror e compaixão. Ele morreu aos 25 anos — uma semana antes de a guerra terminar. Então Britten transpôs isso para uma música que está entre as melhores inspiradas pelo texto de Réquiem, produzindo um dos monumentos musicais do século XX.

 

Em 1963 o "Réquiem de Guerra" foi regido e gravado por Britten com os cantores para quem ele tinha escrito a obra: a soprano Galina Vishnevskaya, o tenor Peter Pears e o barítono Dietrich Fischer-Dieskau.

 

As palavras "Eu sou o inimigo que você matou, meu amigo... Deixe-me dormir agora..." aparecem ao final, cantadas sobre uma melodia sobre-humana pelo tenor e pelo barítono, mostrando a revolta de Britten por perder seus amigos no conflito. O "Réquiem" não é só expressão de horror e compaixão, mas, em última instância, de consolação e reconciliação.

 

 

ORQUESTRAÇÃO:

Dividida em 3 grupos que se alternam e interagem entre si durante a execução e somente no final fazem o tutti - último movimento:

. Soprano e coro misto são acompanhados pelo tutti orquestral.

. Barítono e tenor são acompanhados pela orquestra de câmara.

. Coro infantil de meninos é acompanhado por um pequeno órgão, situados longe da orquestra.

 

Soprano e coro infantil cantam o Réquiem em latim enquanto tenor e barítono cantam os poemas de Wilfred Owen, em inglês.

 

O tutti orquestral é composto por 3 flautas (a terceira dobrando com piccolo), 3 oboés, corne inglês, 3 clarinetes (terceiro dobrando com clarinete em Mib e clarinete baixo), 2 fagotes e contrafagotes, 6 trompas, 4 trompetes em Dó, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão (2 címbalos antigos [C & F#], glockenspiel, gongo, sinos [C & F#], vibrafone, címbalos, triângulo, castanholas, blocos chineses, chicote, bombo, 2 tambores, tamborim, tambor tenor), piano, pequeno órgão ou harmônio (um grande órgão é usado somente no Libera Me do último movimento) e cordas.

 

A orquestra de câmara é composta por flauta (dobrando com piccolo), oboé (dobrando com corne inglês), clarinete (em Sib e Lá), fagote, trompa, percussão (tímpanos, gongo, címbalos, bombo e tambores), harpa, 2 violinos, viola violoncelo, contrabaixo.

 

 

MOVIMENTOS:

 

Requiem aeternam (10 minutes)

Requiem aeternam (chorus and boys' choir)

"What passing bells" (tenor solo) – Owen's "Anthem for Doomed Youth"

 

Dies irae (27 minutes)

Dies irae (chorus)

"Bugles sang" (baritone solo) – Owen's "But I was Looking at the Permanent Stars"

Liber scriptus (soprano solo and semi-chorus)

"Out there, we walked quite friendly up to death" (tenor and baritone soli) – Owen's "The Next War"

Recordare (women's chorus)

Confutatis (men's chorus)

"Be slowly lifted up" (baritone solo) – Owen's "Sonnet On Seeing a Piece of our Heavy Artillery Brought into Action"

Reprise of Dies irae (chorus)

Lacrimosa (soprano and chorus) interspersed with "Move him, move him" (tenor solo) Owen's "Futility"

 

Offertorium (10 minutes)

Domine Jesu Christe (boys' choir)

Quam olim Abrahae (chorus)

Isaac and Abram (tenor and baritone soli) – Owen's "The Parable of the Old Man and the Young"

Hostias et preces tibi (boys' choir)

Reprise of Quam olim Abrahae (chorus)

 

Sanctus (10 minutes)

Sanctus and Benedictus (soprano solo and chorus)

"After the blast of lightning" (baritone solo) – Owen's "The End"

 

Agnus Dei (4 minutes)

Agnus Dei (chorus) interspersed with "One ever hangs" (chorus; tenor solo) – Owen's "At a Calvary near the Ancre"

 

Libera me (23 minutes)

Libera me (soprano solo and chorus)

Strange Meeting ("It seemed that out of battle I escaped") (tenor and baritone soli) – Owen's "Strange Meeting"

In paradisum (All)

Conclusion – Requiem Aeternam and Requiescant in Pace (Organ, Boys' choir and Mixed Chorus)

 

 

Vídeo


 




 

Fontes:

repertoriosinfonico.blogspot.com.br

wikipedia.org