ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

GINASTERA, ALBERTO EVARISTO (1916-1983)

Última modificação : Segunda, 23 Janeiro 2017 13:55


 

(Buenos Aires, 11 de abril de 1916 – Genebra, 25 de junho de 1983)

 

Alberto Evaristo Ginastera, foi um dos mais importantes compositores da Argentina, nasceu em Buenos Aires, em 1916, e estudou no Conservatório Nacional de Música da capital portenha, sob a orientação de Athos Palma.

 

Durante uma extensa visita aos Estados Unidos (1945-47), foi aluno de Copland, em Tanglewood; depois disso sua vida dividiu-se entre a Argentina e o exterior. Em 1971 estabeleceu-se em Genebra.

 

Até meados dos anos 50 sua música foi essencialmente nacionalista, comparável a de Bartók, Falla e Stravinsky, mas orientou-se para um expressionismo atonal que tem laços com Berg e Penderecki. Isso tornou possível seu desenvolvimento tardio como compositor de óperas altamente densas, em que são proeminentes os elementos mágicos e fantásticos (Don Rodrigo, 1964; Bomarzo, 1967; Beatrix Cenci, 1971).

 

A atividade pedagógica e de animação cultural de Ginastera foi igualmente produtiva, sendo professor de composição por vários anos no Conservatório Nacional e na Universidade Católica, além de ser o principal responsável pela criação do Centro Latino-Americano de Altos Estudos Musicais do Instituto Torcuato di Tella, de Buenos Aires, por onde passaram alguns dos mais talentosos jovens compositores de quase todos os países do continente.

 

Em suas obras encontram-se a síntese de elementos politonais e dodecafônicos com os ritmos e temas típicos argentinos. Ginastera dividiu sua música em três períodos: o do "nacionalismo objetivo", o do "nacionalismo subjetivo" e do "neo-expressionismo".

 

 

Obras principais:

Para piano, Danças Argentinas (1937); para harpa, Sonatina (1939); música de câmara, Impressões do altiplano (1934), para orquestra, Concerto Argentino (1935); para piano e orquestra, Abertura para Fausto Crioulo (1943), Variaciones concertantes (1943); música vocal, Cantos de Tucumán, sobre versos de Rafael Sanches (1938); bailados, Panambi (1941), baseada em uma lenda guaraní, e Estância (1941), sobre a vida rural argentina. Também compôs música para o filme Malambo (1942).

 

 

Fontes:

. Dicionário Grove de Música - Edição Concisa (Zahar)

. renatacortezsica.com.br