ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

Especial | Sala São Paulo

Última modificação : Domingo, 18 Março 2018 11:19



 

Um dos cartões postais de São Paulo, o Centro Cultural Júlio Prestes, que localiza-se na antiga Estação Júlio Prestes, na cidade de São Paulo, foi inaugurado no dia 9 de julho de 1999. O edifício foi completamente restaurado e remodelado pelo Governo do Estado como parte do projeto de revitalização do centro da cidade. Ao lado está a Estação Pinacoteca com exposições de arte. O imponente edifício da Estrada de Ferro Sorocabana abriga hoje a Sala São Paulo, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e uma das mais importantes casas de concertos e eventos do País.


 

Objeto de desejo de muitos músicos, a Sala São Paulo tem uma capacidade de 1.498 lugares e é a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). É palco para apresentações sinfônicas e de câmara e foi concebida de acordo com os mais atualizados padrões internacionais. Muitos especialistas consideram a Sala São Paulo uma das salas de concerto com melhor acústica no mundo, comparável à de muitas salas dos Estados Unidos ou da Europa, mundialmente conhecidas, como o Symphony Hall de Boston, o Musikverein, em Viena, e o Concertgebouw, em Amsterdã.

 

Aqui você assiste um documentário especial sobre como se deu a construção da Sala São Paulo

 

 

Projetado por Christiano Stockler das Neves ― período em que a cidade, estimulada pelo café e pela ferrovia, crescia em ritmo acelerado ― o prédio que hoje sedia a Sala São Paulo é marcado pela sobriedade dos ornamentos e detalhes do estilo Luís XVI. Foi concluído somente em 1938, quando a urbanização de São Paulo já se caracterizava pela presença de automóveis, minimizando a utilização de bondes e trens.


Confira nesta reportagem todos os detalhes desta magnifica casa de espetáculo

 

 

Com o objetivo de preservar sua arquitetura, a Sala São Paulo foi tombada pelo patrimônio histórico pelo Condephaat. Inaugurada em 9 de julho 1999 com a apresentação da sinfonia “A Ressurreição”, de Gustav Mahler, pela Osesp, a casa conta ainda com espaço para livros, partituras, revistas, jornais, programas de concertos da Osesp e de outras orquestras, gravações e vídeos de referência em CDs, DVDs, além de registros sonoros de concertos e partituras de bolso.


Vídeo da Sinfonia “A Ressurreição”, de Gustav Mahler, com a Orquestra Sinfônica Heliópolis sob a regência de Isaac Karabtchevsky

 

 

Para evidenciar de maneira fiel o talento de quem se apresenta na Sala São Paulo, a casa foi construída com um novo parâmetro tecnico-acústico, o teto móvel. Trata-se de uma grande inovação tecnológica que ajusta a qualidade do som de acordo com o tipo de música a ser tocada.

 

Saiba mais sobre essa técnica

 

Continue lendo sobre a Sala São Paulo.