ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

Sergei Prokofiev | Curiosidades

Última modificação : Domingo, 15 Fevereiro 2015 13:05




Sergei Prokofiev dedicou- se a vários gêneros e nunca deixou que definissem seu trabalho. Nem mesmo os mais severos especialistas conseguiram chegar a um acordo. Para os críticos musicais europeus, suas obras escritas no ocidente são oportunistas e burguesas, já os americanos as consideram especificamente russas.


Difícil de entender
Em 1931 o pianista austríaco Paul Wittgenstein encomendou uma música a Sergei Prokofiev, mas jamais a interpretou. O Quarto concerto para piano seria recusado simplesmente porque Paul não teria entendido uma nota sequer da obra.


Presente de grego
O governo soviético convidou Sergei Prokofiev em 1932 a retornar definitivamente à Moscou, oferecendo- lhe vários incentivos, como um apartamento e um carro novo. Na verdade, a política interna estava apenas preocupada em manter o nacionalismo russo forte, com a ajuda de personalidades. Nunca teve como intenção de trazer o músico de volta apenas para cultuá-lo como artista.


Exílio
Lina Llubera, a primeira mulher de Sergei Prokofiev, após a separação foi enviada para um campo de concentração na Sibéria, sendo libertada após oito anos de trabalhos forçados.


Lamentável despedida
A triste coincidência da morte entre Prokofiev e Stalin causou transtorno entre os admiradores do músico. Durante três dias foi impossível transportar seu corpo, já que o povo tumultuava as ruas próximas à Praça Vermelha, chorando pelo ditador. Apesar dos esforços, não conseguiram organizar uma despedida digna. Nem uma flor natural enfeitou seu caixão; todas disponíveis na cidade foram enviadas para Stalin. Diante disso, seus alunos e amigos fizeram rosas de papel e improvisaram um tributo musical tocando a marcha fúnebre de Romeu e Julieta num velho toca-discos.


Crianças
Preocupado com o futuro das crianças que viviam em meio a tão conturbada fase política, Sergei Prokofiev resolveu criar uma obra que as distraísse e levasse ao gosto pela arte. Lançou então, no ano de 1936, um conto musical para crianças: Pedro e o Lobo. Seu objetivo com este trabalho era oferecer aos pequenos uma forma simples de conhecer os principais instrumentos e sons de uma orquestra sinfônica. Baseado num antigo conto russo, ele deu a cada personagem da historinha uma instrumentação diferente. “Pedro”, por exemplo, é representado pelas cordas, o “Lobo” é a trompa e os “caçadores” são a percussão.