ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

GUERRA E PAZ

Última modificação : Segunda, 14 Dezembro 2015 13:59


 

SERGEI SERGEIVICH PROKOFIEV (1891-1953)

RUSSO – MÚSICA MODERNA – 102 OBRAS

 

KRIEG UND FRIDEN (VOINA Y MIR)

 

Ópera em 13 cenas (em duas partes)

Ano da composição: 1941-1943 (revisão 1946-1952)

Data da estreia: 07 de junho de 1945, Conservatório de Moscou, Rússia

Libreto: Sergei Prokofiev e Myra Mendelson, com base no romance homônimo de Tolstói (1863-1869)

 

RÉCITAS:

Versão original (muito cortada) apresentada em concerto no Conservatório de Moscou, Rússia, 07 de junho de 1945, com regência de Samuil Samosud; Teatro Maly (atualmente Mikhailovsky), São Petersburgo, 12 de junho de 1946 (só as oito primeiras cenas), com regência de Samuil Samosud; a Parte II foi apresentada em récita privada em 1947.

 

Estreia da chamada versão "definitiva" (só 11 cenas com a omissão das cenas 7 e 11): Teatro Maly, São Petersburgo, 01 de abril de 1955, com regência de Grikurov.

 

Apenas em 15 de dezembro de 1959, as treze cenas foram finalmente encenadas sem cortes (realizado por Alexander Melik-Pashayev) no Teatro Bolshoi de Moscou.

 

 

Adaptação do monumental romance de Tolstói, é a obra-prima operística de Prokofiev. Planejada como obra de pequenas dimensões sobre os caprichos do amor, assumiu uma dimensão patriótica após a invasão nazista da União Soviética em junho de 1941. Em consequência, uma "paz" romântica, tratando do volúvel amor de Natasha, é seguida por uma "guerra" que exalta o sofrimento e o heroísmo do povo russo, na tradição do Boris Godunov de Mussorgsky. Isto se reflete na partitura: a Parte I tem um lirismo tchaikovskiano, a Parte II evoca a Rússia eterna em coros empolgantes que se destinavam a agradar ao Kremlin. Para dar autenticidade, Prokofiev pesquisou a música militar da época. Mas, ainda que pretendesse que ela fosse executada em duas noites, é raro essa ópera ser produzida, por causa da duração proibitiva e da necessidade de 70 solistas.

 

Tolstói talvez não gostasse da ópera de Prokofiev: nos últimos anos de vida, o romancista, cada vez mais irascível, declarava as canções folclóricas russas superiores à música clássica, considerando absurdo o gênero operístico.

 

 

PAPEIS PRINCIPAIS:

. Natasha Rostova, soprano - Filha de um proprietário rural empobrecido

. Príncipe Andrey Bolkonsky, barítono - Noivo de Natasha

. Príncipe Nikolay Bolkonsky, baixo-barítono - Pai de Andrey

. Conde Pyotr Bezukhov (Pierre), tenor - Amigo de Andrey

. Helène Bezukhova, mezzo-soprano - Sua mulher

. Príncipe Anatol Kuragin, tenor - Amante de Natasha

. Tenente Dolokhov, barítono - Amigo de Anatol

. Marechal Príncipe Mikhail Kutuzov, baixo - Comandante do exército russo

. Napoleão Bonaparte, barítono - Imperador da França.

 

 

Vídeo


 

 

 

FONTES BIBLIOGRÁFICAS:

Kobbé O Livro Completo da Ópera, Jorge Zahar Editor, Edição Língua Portuguesa (1991), Jorge Zahar Editor

Guia Ilustrado Zahar Ópera, Edição Brasileira (2020), Jorge Zahar Editor

Wikipaedia - página acessada em 23/05/2015