ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

NARIZ, O

Última modificação : Sexta, 29 Maio 2015 17:07


 

DMITRI SHOSTAKOVICH (1906-1975)

RUSSO - MÚSICA MODERNA - RÚSSIA E URSS - 110 OBRAS

 

NOS

 

Ópera em três atos, escrita no final da década de 1920 na União Soviética, durante um período de política muito liberal para a música. Shostakovich completou-a em 1928 com apenas 22 anos de idade, um feito alcançado por muito poucos.

 

Com libreto de Yevgeny Zamyatin (escritor russo na linha gogoliana), Georgi Ionin, Alexander Preis e do próprio Shostakovich. É uma adaptação da sátira O Nariz (1836) de Nikolai Gogol (1809-1852).

 

A música que Shostakovich compôs para esta ópera é notável. São mais de 500 páginas para 30 instrumentos os quais são virtualmente usados como leitmotif: o Nariz é uma flauta alto, Kovaliov é uma corneta e um xilofone, Ivan é uma balalaica.

 

Teve sua estreia no Teatro Mikhailovsky, São Petersburgo, em 18 de junho de 1930, sob regência de Samuil Samosud. Já em 1934 a ópera deixa de ser apresentada na Rússia.

 

 

O conto de Gogol foi escrito em 1835, quando ele tinha 26 anos, e publicado um ano depois, por interferência de Pushkin, Seus elementos de humor e sátira social e suas potencialidades cênicas interessaram ao jovem Shostakovich, que ao compor a ópera entre 1927-1928, aos 22 anos, já era o autor de duas sinfonias e algumas peças de câmara, e alegava não ter conseguido encontrar nem um tema soviético para sua primeira ópera nem um escritor soviético com quem colaborar no libreto.

 

Quando a obra foi apresentada pela primeira vez, alguns poucos viram nela o início de uma nova era na música soviética, mas a maioria (incluindo aparentemente os próprios intérpretes) considerou-a complexa e desconcertante, chegando um dos críticos a referir-se a uma "granada de mão anarquista".

 

Cabe frisar, no entanto, que O Nariz foi concebida e estreada em uma época em que Hindemith, Schönberg, Stravinsky, Berg, Krenek, Milhaud e Schreker eram normalmente executados na União Soviética. Shostakovich e seus libretistas acrescentaram grande número de personagens ao conto de Gogol, e a ópera assume contornos de um caleidoscópio sonoro, em meio ao qual acompanhamos as aventuras burlescas do major Kovalyov em busca do seu nariz. Platon Kuzmich Kovalyov é um funcionário público que exerce funções sem muita importância - simples assessor com o título de cortesia de major -, mas sua preocupação com o próprio status já se transformou em obsessão, e ele só consegue pensar em seus planos de promoção.

 

Na minúscula abertura da ópera, toda ela com fanfarras de metais e curtíssimos solos dos mais diferentes instrumentos, do xilofone ao flautim, Shostakovich parece querer passar a perna em todo e qualquer tipo de academismo.

 

 

Vídeo

 




 

 

FONTE BIBLIOGRÁFICA:

Kobbé O Livro Completo da Ópera, Jorge Zahar Editor, Edição Língua Portuguesa (1991), Jorge Zahar Editor