ConcertinoPortal de pesquisa da música clássica

Os mais famosos compositores da linha do tempo

PÁSSARO DE FOGO, O

Última modificação : Domingo, 25 Junho 2017 12:04


 

STRAVINSKY, IGOR FEODOROVITCH (1882-1971)

RUSSO – MÚSICA MODERNA – NEOCLASSICISMO – 127 OBRAS

 

L'oiseau de feu

 

Ano da composição: 1910

Primeira apresentação: 25 de junho de 1910, em Paris

 

Assim como o “Prelúdio à tarde de um Fauno” de Debussy, o “Pássaro de Fogo” de Stravinsky também se inspira em uma história, desta vez, uma lenda russa adaptada para o balé por Michel Fokine (1880–1942), um respeitado bailarino e diretor de coreografia da época, com quem Stravinsky viria a trabalhar posteriormente em outras obras.


A estreia de “O Pássaro de Fogo”, em 1910, na Ópera de Paris, foi a consagração do compositor, que decide, então, tornar-se cidadão francês, abandonando a Rússia em meio a desentendimento com o governo local (diz-se que Stravinsky foi levado a deixar o país por determinação do governo, que não aceitava seus novos conceitos musicais). Em 1913, a estreia de “A Sagração da Primavera”, no mesmo local, foi marcada por protestos dos espectadores — enfurecidos com a realidade musical da peça.

“O Pássaro de Fogo”, em sua estreia, foi representado pela companhia de Sergei Diaghilev (ainda sem Nijinsky). Mlle. Karsavina representou e dançou o Pássaro de Fogo, Fokine representou Ivã Tsarevich e Bulgakov, o imortal Kastchei. O enredo do ballet, extraído do folclore russo e adaptado por Miguel Fokine, conta a história de Ivã Tsarevich que, andando em um bosque, à noite, encontra, na escuridão, o Pássaro de Fogo - que colhe maçãs de ouro em uma árvore de prata. Ivã consegue aprisioná-lo, mas não hesita em conceder-lhe a liberdade em troca de uma pena incandescente. Ao raiar o dia, Ivã percebe treze virgens saindo de um grande castelo - o lar do monstro Kastchei, que transforma em pedra todos que por ali passam. Ivã, após enfrentar uma horda de monstros, consegue penetrar na fortaleza onde Kastchei tenta petrificá-lo, mas a mágica do Pássaro de Fogo torna o feitiço do monstro sem efeito. Após um combate, os poderes do Pássaro de Fogo prevalecem e Kastchei é derrotado e morre. O castelo desaparece e suas belas prisioneiras são libertadas, casando-se uma delas, a bela Tsarevna, com Ivã.

Do ponto de vista musical, ainda que “O Pássaro de Fogo” não seja o que há de mais representativo, há elementos que serão utilizados posteriormente em “A Sagração da Primavera”. Por exemplo, o pouco uso da escala octatônica - a escala de oito notas comum na música erudita da época e, ainda hoje, a mais utilizada na música popular. Stravinsky optou por outras escalas que já adiantavam o que viria a chamar-se música atonal, priorizando notas como as quartas, quintas, sextas e sétimas diminutas.

 

Um trecho em que a presença da quinta diminuta pode ser percebida de forma clara é "O imortal Kastchei" - quarta parte do ballet. Seu efeito subverte a noção de musicalidade comum aos românticos e pré-românticos, visto que uma combinação de notas estranhas, "que não parece música" e que dá uma atmosfera lúgubre à peça prevalece.

 

Uma outra característica de “O Pássaro de Fogo” é a complexidade harmônica. Longe, muito longe da intensidade "uníssona" de um Beethoven e da "pomposidade" de um Wagner, Stravinsky utiliza novas combinações entre os instrumentos - na qual uma mesma linha melódica é desenvolvida por um instrumento até certo ponto, sendo o restante tocado por outro instrumento. Trata-se, pois, de uma espécie de "corrida de revezamento", na qual mais de um instrumento executa, não simultaneamente, uma mesma melodia. E, falando das melodias propriamente ditas, estas são um tanto simples e sem rebuscamento, dando novas dimensões às conquistas do impressionismo francês (Debussy, Ravel etc.).

Se, em “O Pássaro de Fogo”, as experimentações de Stravinsky ainda não se encontram em sua plena realização, sua maturidade estética é atingida com “A Sagração da Primavera”. Todavia isso não significa que “O Pássaro de Fogo” não seja condizente com o melhor de Stravinsky; pelo contrário, foi através dessa obra que seu gênio revolucionário começou a manifestar-se e criar aquela que é uma das obras mais representativas da música erudita do século XX.


MOVIMENTOS:

INTRODUÇÃO
I TABLEAU
· Lê Jardin Enchanté de Kastchei
· Apparition de L’Oiseau de feu, poursuivi par Ivan Tsarévitch
· Danse de L’oiseau de Feu
· Capture de L’Oiseau de Feu par Ivan Tsarévitch
· Supplications de Lóiseau de Feu
· Apparition dês treize princesses enchantées
· Jeu des princesses avec les Pommes D’Or (Scherzo)
· Brusque Apparition d”Ivan Tsarévitch
· Corovod (Ronde) des Princesses
· Lever du Jour
· Ivan Tsarévitch pénètre dans le Palis de Kastchei
· Carillon Féérique, Apparition des Monstres – Gardiens de Kastchei et Capture d’Ivan Tsarévitch
· Arrivée de Kastchei L’Immortel
· Dialogue de Kastchei avec Ivan Tsarévitch
· Intercession des Princesses
· Apparition de L ‘Oiseau de Feu
· Danse de la Suite de Kastchei Enchantée par L’Oiseau de Feu
· Danse Infernale de Tous les Sugets de Kastchei
· Berceuse (L’Oiseau de Feu)
· Reveil de Kastchei
· Mort de Kastchei
· Profonds Ténèbres

II TABLEAU
· Disparition du Palis et dês Sortilèges de Kastchei, Animation dês Chevaliers Petrifiés, Allegresse Générale.

 

 

Vídeos


Versão orquestral


Ballet




 

 

FONTES BIBLIOGRÁFICAS:
Artigo de Emanuel Martinez em:

http://repertoriosinfonico.blogspot.com.br/2007/09/stravinsky-pssaro-de-fogo.html

Artigo de Dario Rodrigues Silva, em:

http://www.sinfonicaderibeirao.org.br/pagina_extra.php?id=103

IMSLP/Petrucci Music Library

 

Páginas acessadas em 12/06/2015

Adaptações dos textos: Elza Costa